• Ariane Angioletti

Histórias de Vó: a inspiração da vó Ondina

A neta Lucimara Coutinho divide um pedacinho das suas lembranças com a gente.


Com sua pele branca, cabelos negros, olhos miúdos e sempre com um sorriso na face. É esta a imagem que tenho guardada desta pessoa iluminada, que sempre dizia: “quando eu partir, que seja bem de quietinho, sem alarde”. E seu pedido foi aceito.

Na década de 90 ela vinha tendo problemas no coraçãozinho e em uma noite quando cheguei do colégio (morava com ela) ela falou lá do quarto: "Tem bolo feito no forninho, não dorme sem se alimentar" ou seja, se preocupou comigo até o último momento. Depois disso, virou para o cantinho e, “de quietinho” passou para outra dimensão, para a surpresa de meu avô e de todos no dia seguinte.


Sempre digo que avó igual a minha, tipo a Dona Benta do Sítio do Pica-Pau Amarelo do Monteiro Lobato, não existe mais.


Eu cresci em um sítio rodeada de mimos por minha vozinha, (e sendo a primeira neta, imaginem como foi!!!) mas os demais netos também eram mimados, principalmente quando ela nos juntava ao seu redor e contava histórias lindas de príncipes, princesas e vilões. E acho que muitas vinham de sua própria imaginação, pois nunca os encontrei em livro algum.


E por falar em livros, acredito que minha formação acadêmica foi influência dela, que me colocou no mundo da literatura através de suas linda histórias e, assim que me alfabetizei, li para ela as Aventuras de Robinson Crusoé e lembro a quão maravilhada ela ficava com cada capítulo.


Será que os avós e netos tem essa relação de amor e cumplicidade nos dias de hoje? Acredito que poucos.


Seus ensinamentos foram muitos e devo muito a ela pelo ser humano que me tornei, pois me mostrou a importância do alimento feito com capricho na panela de ferro e no fogão a lenha, do amor e respeito à natureza e, também, ao próximo. Sim, ela me ensinou muito! E se for para resumir seus ensinamentos numa palavra, seria: EMPATIA.

Sem falar da mulher forte, que se casou assumindo os quatro primeiros filhos do meu avô e gerou mais dez filhos. Aí te pergunto, minha avó. que tinha flor no nome, é ou não uma inspiração?


(para ler outras histórias, vá para a página do projeto)

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo